Resenha: Brand New ao vivo no Converse Rubber Tracks Live Brasil!

     foto: http://ihateflash.net/


Isso não é apenas uma resenha, mas sim um relato, relato de um fã de Brand New que esperou anos por um show dos caras, e que com a ajuda dos seus amigos conseguiu com que essa espera chegasse ao fim. Se você quer ir direto ao assunto, vá para o quinto parágrafo.

Por volta das 18:30hs de uma quinta feira na 31ª semana de 2014, lá estava eu saindo da estação Liberdade do Metrô, para tentar encontrar um brother meu na fila e assim poder aguardar a abertura dos portões do Cine Jóia que iria acontecer às 21hs, como meu celular já estava com a bateria totalmente descarregada, demorei um pouco mas consegui encontrá-lo em meio as várias pessoas que já estavam na fila para ver o Brand New, e o Minus The Bear... porque não?! Naquele momento eu já não sentia mais aquela ansiedade que durante toda aquela semana me fez companhia, pois sabia que era questão de horas para eu ver uma das bandas que mais fazem sentindo pra minha vida. 

Logo começamos a beber aquela cerveja que é de lei sempre que saímos e nos encontramos. Fizemos bastantes amizades na fila, conversamos com várias pessoas sobre o blog, fomos cumprimentados por pessoas que nunca tínhamos visto na vida (um dos motivos foi a camiseta do La Dispute que um de nós estava usando), enfim tudo deu certo nesse dia, até fizemos amizades com duas garotas da produção da Converse que estavam confirmando os nomes na lista, uma delas inclusive me deu o flyer do show durante a saída e disse que era pra eu guardar, mal sabia ela que tínhamos vários desses flyers escondido dentro da mochila!

Vamos ao que importa, a primeira banda da noite foi a Coyotes, nunca tinha ouvido na vida, mas gostei bastante do som dos caras, solinhos de guitarras e músicas que eram até meio dançantes, ótima banda para começar uma noite que seria inesquecível para alguns. Logo depois veio a banda paulistana Vespas Mandarinas, particularmente não tenho nada pra falar deles, não gostei de nada que tocaram, e o Chuck é todo malinha tocando guitarra (nossa opinião). Depois veio os caras simpáticos do Minus The Bear, eles próprios tiveram a preocupação de passar o som e fizeram um show extremante encaixadinho, eu pirava vendo o guitarrista tocando, apesar de não conhecer bem a discografia da banda, se pra quem não escutava a banda antes foi um puta show, imaginem pra quem conhecia e estava ali só para ver eles, acho que todo mundo achou incrível.

Acabou o Minus The Bear e então estava próximo do Brand New subir ao palco, devido ao horário e o transporte público em SP não ser 24hs, uma parte da galera foi embora antes mesmo que o Brand New entrasse no palco. Perderam um puta show!!!! Apesar da demora para arrumarem o palco, o que gerou atraso para o BN subir, não há sensação quando você tem a oportunidade de ver o Jesse Lacey, Vin Accardi, Brian Lane e o Garret Tierney subirem e você estar a poucos metros de distância do palco, foi o primeiro show da minha vida que fiquei praticamente na grade, afinal era o Brand New. A música de abertura e as três outras após foram faixas do Daisy, último disco do BN lançado em 2009, Sink, Gasoline, At The Bottom e You Stole, foi bom mas poderia ter sido melhor. Algo que podemos destacar com certeza é a performance ao vivo do Jesse, ele entrou quietinho usando um boné, e praticamente arrebentou, achei que a performance pessoal dele no vocal não iria ser tão boa, mas ele cantou afinadinho, isso que no início o som nem estava muito bom. Depois veio a dose do Deja Entendu, talvez o álbum mais popular do BN, a melancólica e curta, Tautou, veio seguida da Sic Transit Gloria... Glory Fades, um dos hinos do Brand New, ali o público e banda já se encontravam mais soltos. Curioso é que naquele momento o BN estava usando duas baterias, sim além do Brian tinha um outro cara tocando em uma outra bateria e algumas vezes fazendo percussão junto com ele. Continuando a sequência do Deja Entendu, o álbum do Brand New que vendeu mais de 1 milhão de cópias, eles tocaram I Will Play My Game Beneath The Spin Light, e encerraram o ciclo com Okay I Believe You, But Tommy Gun Don’t, música que foi acompanhado por um coro de todo o Cine Jóia. Depois veio a única faixa que eles tocaram do Your Favorite Weapon, o primeiro disco do BN lançado ainda em 2001, a faixa foi a clássica, Seventy Times 7. Então começou o ciclo do The Devil and God Are Raging Inside Me, meu disco favorito do Brand New, e iniciaram ele tocando Welcome to Bangkok, antes de continuar preciso falar com o Vin é um showman na guitarra, logo em seguida tocaram Sowing Season, um clássico também, e dai pra frente só mais clássicos, Millstone, Jesus Christ, Degausser e o final épico, com direito a mais de 9 minutos de You Won’t Know.

O interessante é que em You Won’t Know eu me lembrei de todas as pessoas que interagem conosco no Twitter  e estavam tristes por não poder ver o show do Brand New. Por eu gostar muito da banda, eu queria ter ouvido muitas outras faixas, como Moshi Moshi, Soco Amaretto Lime, Jude Law, Limousine, Fork and Knife, Play Crack The Sky, Mixtape e por ai vai, mas o show atendeu exatamente a expectativa que criei sobre ele, foi bem do jeito que imaginei, inesquecível. Cheguei em casa às 3:30hs da madrugada e sai pra trabalhar às 06hs, nem deu tempo de ter ressaca.

Espero que quem leu até o final, tenha gostado. Quem leu só a parte do Brand New também. Acho que citei todas as faixas que tocaram, se faltou alguma e você sabe, informe nos comentários. A qualquer momento postamos fotos e mais vídeo desse dia. Muito obrigado.

Share on Google Plus

About Posthardcore Br

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.