Resenha: Dead Fish no Hangar 110 - 06/09


O que falar sobre uma banda com 20 anos de estrada e que “ainda insiste em viver”? 
Pra começar, estamos falando de quem recentemente chocou a cena musical e a indústria fonográfica ao arrecadar mais de R$ 237.000,00 em uma iniciativa crowdfunding para a gravação de seu próximo álbum (recorde nacional). Depois, o Dead Fish é uma das poucas bandas que conseguiram sobreviver à saída do mainstream e voltar ao underground com a reputação intacta.

Vamos ao show . Após a abertura das bandas Drakula e Os Excluídos, o Dead Fish subiu ao palco por volta das 22h com o Hangar 110 lotado.  Saudados pelo público com um curioso e carinhoso “Ei, Dead Fish, vai tomar no cu!”, o show começa com “Afasia” e “Paz Verde”.  As tradicionais rodas correm soltas da primeira à última música.

 O destaque fica para um setlist balanceado, cobrindo todas as fases e álbuns.  Os hits “Sonho Médio”, “Iceberg”, “Queda Livre” e “Zero e Um” foram algumas das músicas que garantiram a alegria da galera. Notei também a presença massiva dos fãs trintões (entre eles, eu), em uma bacana mescla de gerações.

No entanto, não posso deixar de mencionar a rouquidão do vocalista Rodrigo (causada pelas cervejas da noite anterior, de acordo com o próprio) e a bonita atitude do mesmo ao interromper “Você” para que um fã machucado durante um stage dive fosse atendido.

O show terminou com “Contra Todos” e embora, mais curto que o esperado, certamente satisfez o público presente.  Faltaram “Tango” e “Noite”, porém, para quem estava quase sem voz, o objetivo foi cumprido.

Autor: Cold

               
Share on Google Plus

About Posthardcore Br

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.